Felicidade é mito ou verdade?

Felicidade é mito ou verdade?

Passamos a vida toda em busca dela, mas não sabemos ao certo quando, onde e como encontrá-la. Há quem diga que se trata de uma emoção passageira. Outros a relacionam a conquistas materiais. Acredita-se que para obtê-la é preciso ter saúde, juventude, um bom casamento. Há ainda quem defenda que são necessários dias ensolarados numa praia.

o que todo mundo sabe é que a felicidade é contagiosa e a energia positiva que ela provoca, rapidamente se espalha. Mas, afinal, ela existe ou é uma invenção? Pesquisadores tentam descobrir uma fórmula para atingir o estado de espírito que traz a serenidade e o riso espontâneo, sem chegar a um consenso.

A psicóloga Darla Lopes ensina a não confundir a euforia momentânea ou o sorriso fácil no rosto com a felicidade. A postura de cada pessoa diante da vida é o que conta na visão da especialista. Gostar de si mesmo, investir na autoconfiança, são caminhos para se chegar até ela.

Ser feliz passou a ser mais uma obrigação social

Ser feliz passou a ser mais uma obrigação social

Não é de hoje que pesquisadores do mundo todo querem desvendar o mistério da felicidade. Uma pesquisa feita em 2002, pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, comprovou que as pessoas que demonstram alegria são aquelas que têm mais capacidade de fazer amigos e manter fortes laços afetivos com eles.

 

E é com base nesse bom desempenho social que o indivíduo se torna popular e bem quisto, o que facilita as relações familiares, no trabalho e com os amigos. O sentimento bom nos reforça a querer repetir a experiência muitas vezes – o que acaba transmitindo a informação pela genética.

O escritor e psicólogo americano Robert Wright, em um artigo para a revista americana Time, escreveu: “As leis que governam a felicidade não foram desenhadas para nosso bem-estar psicológico, mas para aumentar as chances de sobrevivência dos nossos genes a longo prazo”.

A busca da felicidade é o que move o indivíduo a querer estudar, trabalhar, ter fé, construir, realizar coisas, economizar, fazer amigos, brigar, casar, separar-se, ter filhos, enfim, é a moticvação de todo o ser humano.

O problema é que a cada conquista, vem a sede de outra. As metas aumentam pela pressão social de que ser feliz deixou de ser um objetivo de vida e passou a ser mais uma obrigação. O psicólogo americano Martin Seligman, da Universidade da Pensilvânia, concluiu que felicidade é na verdade a soma de três coisas diferentes: prazer, engajamento e significado.

Efeitos positivos
E se a felicidade alivia as tensões da vida, com certeza as pessoas devem sentir os benefícios não só na mente, mas no corpo. A ciência comprova isso.

As pessoas felizes ativam uma região do cérebro chamada córtex pré-frontal esquerdo, levando a um melhor funcionamento do sistema imunológico. Um desses estudos mostra que os otimistas tendem a superar com maior facilidade o processo de recuperação e cura. Na Holanda, pesuisas médicas comprovaram que quem é feliz tem o risco de morte reduzido em 50%.

 

fonte: http://www.odiario.com/saude/noticia/522280/ser-feliz-passou-a-ser-mais-uma-obrigacao-social/

Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento de Transtornos Alimentares

Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento de Transtornos Alimentares

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) tem sido amplamente utilizada no tratamento de transtornos alimentares. Ensaios clínicos apontam a eficácia deste tipo de terapia na remissão ou diminuição da freqüência de episódios de compulsão alimentar, bem como dos comportamentos purgativos e restritivos. Proporcionando também melhora do humor, do funcionamento social e diminuição da preocupação com peso e formato corporal.

Extensamente utilizadas no tratamento dos transtornos alimentares (TA), as técnicas cognitivas e comportamentais têm sido avaliadas e reconhecidas como estratégias eficazes na melhora dos quadros clínicos.

Os TA são multideterminados e resultam da interação entre fatores biológicos, culturais e experiências pessoais. A TCC visa identificar e modificar as características cognitivas, emocionais e comportamentais que favorecem o desenvolvimento e manutenção desses transtornos.

De forma geral a TCC objetiva proporcionar aos indivíduos com TA, melhora no quadro clínico através do aumento da auto-estima, autocontrole, autoconhecimento, de modificações dos hábitos alimentares, da redução da ansiedade associada à aparência e da modificação do sistema de crenças, além do desenvolvimento de estratégias para adesão a exercício físico e a redução gradual do peso.